PEDIR SUA MÚSICA

CLIQUE AQUI E FAÇA SEU PEDIDO MUSICAL


Mostre para seus amigos o que você está ouvindo aqui, eles poderão ouvir no Facebook, compartilhe nosso player.


.
.

Roberto Carlos fica menor em O Réu e o Rei


Paulo César Araújo, autor do livro “Roberto Carlos em Detalhes”, censurado por conta de uma ação judicial movida pelo cantor, está com uma obra nova na praça e desta vez como que “dá o troco ao Rei”.

O livro “O Réu e o Rei” é a história de vida de Paulo César, com foco na sua paixão por música e sua admiração por Roberto Carlos. O escritor conta como foi sua vida em Vitória da Conquista, na Bahia, revela porque teve de se mudar para São Paulo e depois para o Rio de Janeiro, além das dificuldades enfrentadas para sobreviver e cursar as faculdades de jornalismo e história.
Ainda estudante, Paulo começou com os colegas de faculdade um trabalho de pesquisa da música popular brasileira. Entrevistou desde os mais sofisticados, como João Gilberto, Tom Jobim e Caetano Veloso, até os chamados bregas, caso de Waldick Soriano, Aguinaldo Timóteo, Odair José e Reginaldo Rossi.

Não tinha carro nem telefone. Usava fichas para ligar de orelhões e se deslocava à casa das celebridades usando ônibus. O primeiro livro que publicou, “Eu não Sou Cachorro Não”, teve boa receptividade da crítica e comoveu os cantores românticos, que nunca tinham sido reconhecidos ou valorizados nos meios acadêmicos ou intelectuais.

“Roberto Carlos em Detalhes”, o segundo livro de Paulo César Araújo, recebeu elogios dos principais críticos musicais do país e logo entrou na lista dos mais vendidos no Brasil. A obra, no entanto, deixou o cantor de Cachoeiro de Itapemirim à beira de um ataque de nervos, uma verdadeira “fera ferida”. O artista perdeu a esportiva durante uma entrevista coletiva e anunciou,  às vésperas de Natal, que ia para a guerra visando processar o seu biógrafo.

HISTÓRIA - Paulo César conta toda essa história minuciosamente,
relembrando que passou 15 anos tentando entrevistar Roberto Carlos e trabalhando em sua biografia. Foi esnobado mais de uma vez pela assessora de imprensa do Rei (Ivone Kassu, que morreu em 2012), tapiado por empresários do cantor, mas nunca desistiu do seu projeto.

O livro sobre Roberto Carlos enaltece o artista, reconhece sua importância na música popular brasileira, colocando-o no mesmo patamar de João Gilberto, Caetano Veloso, Chico Buarque ou Gilberto Gil. A reação do cantor, que deveria ser de agradecimento, foi belicosa, injusta e incompreensível.

“O Réu e o Rei” é um trabalho impecável que mostra tudo isso e desconstrói a imagem de bom moço de Roberto Carlos.

Se no primeiro livro o escritor foi apenas fã e não mostrou o lado negativo do cantor, no segundo ele mostra as contradições do homem de igreja, devoto de Nossa Senhora e que pregava a necessidade de ter “um milhão de amigos”.

Roberto, que tanto pregou a paz em suas músicas, montou uma “operação de guerra” para levar um jornalista aos tribunais e trazer de volta à censura ao Brasil.
No primeiro livro Roberto Carlos sai engrandecido, como cantor, compositor e ser humano.

Nesta segunda obra, Paulo César mantém os elogios, o reconhecimento do trabalho artístico, mas também alfineta o algoz e publica muitas das críticas desfavoráveis a RC durante o seu longo reinado.

Paulo César Araújo cresce como jornalista, historiador e pesquisador sério que é, enquanto Roberto Carlos fica menor perante o seu próprio público.

Não sabe se por mania ou burrice o cantor tirou de circulação a biografia “Roberto Carlos em Detalhes”. Deu um tiro no pé. Permitiu a Paulo César escrever um livro tão bom quanto o primeiro e dar a última palavra.

Quem tiver a oportunidade de ler os dois livros ou pelo menos o último não terá a menor dúvida de que o Rei está errado nessa história toda, “ficou nu”. Enquanto Paulo César Araújo, o menino que foi engraxate e vendeu picolés, adquire de vez o respeito da imprensa, da intelectualidade e do meio artístico, em detrimento de um artista que corre o risco de ficar marcado na história não por tantas canções de sucesso e sim por conta de uma atitude mesquinha e policialesca.

O réu deu a volta por cima. 

(Texto: Roberto Almeida. Nas fotos da Revista Veja o jornalista e historiador Paulo César Araújo e o cantor Roberto Carlos).




Fonte:robertoalmeidacsc.blogspot.com.br

  • Digg
  • Del.icio.us
  • StumbleUpon
  • Reddit
  • RSS

0 comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...