PEDIR SUA MÚSICA

CLIQUE AQUI E FAÇA SEU PEDIDO MUSICAL


Mostre para seus amigos o que você está ouvindo aqui, eles poderão ouvir no Facebook, compartilhe nosso player.


.
.

Os Originais do Samba agora nas plataformas digitais



Os Originais do Samba, em 1969

Os Originais do Samba aterrissam nas plataformas digitais com uma dúzia de álbuns lançados entre 1969 e 1983 (originalmente gravados na RCA), sacados do catálogo pertencente a Sony Music. A reedição digital dos LPs comemora os 50 anos do grupo que, com Bigode, como único integrante da formação inicial, está lançando disco novo, Ontem Hoje e Sempre, que tem participações de Zeca Pagodinho e Reinaldo.

Cultuado, com LPs caçados nos sebos, sobretudo pelo pessoal que descobriu o vinil nos anos 2000, Os Originais do Samba, cujo membro mais conhecido foi Antonio Carlos “Mussum”, da trupe de comendiante Os Trapalhões, foram formados por batuqueiros dos subúrbios cariocas. O que o diferenciou, a principio, foi ser um grupo de percussionistas. Depois entram o bom humor e o descompromisso com as raízes do gênero.

Os Originais do Samba gravavam autores de todas as alas da MPB, mesmo nos anos 60, quando o ranço ideológico dividia facções musicais no país. Quando se valorizava o samba do morro, das escolas, recorria-se compositores resgatados do limbo, feito Cartola ou Nelson Cavaquinho, Os Originais do Samba faziam jus ao nome. Sua originalidade estava em fazer um samba urbano, comercial, sem diluir o gênero.

Conseguiam transitar por todas os afluentes da MPB, sem policiamentos nem boicotes da esquerda, nem mesmo quando, em março de 1970, com um grupo de sambistas de escolas, foram convidados para animar um coquetel, promovido pela assessoria de relações públicas da presidência da República, em que se anunciava a festa de comemoração pelos seis anos do golpe militar de 1964. A festa aconteceu no Maracanã, antes de um treino da seleção brasileira (de portões abertos), com participação de alas escolas de samba, Elizeth Cardoso e Jair Rodrigues.

Os Originais do Samba é o ancestral mais distante do pagode romântico, sobretudo por tirar as arestas do samba, tornando-o palatável para todas as classes sociais. Entretenimento era o que importava para o grupo, que cantava com Elis Regina, mas gravava a então execrada turma da Jovem Guarda, quando Roberto Carlos não tinha recebido ainda o aval da intelectualidade, que lhe daria o carimbo de qualidade que alterou seu status de cantor de música descartável para artista classe A. No início do anos 70, incorporaram ao repertório um pot-pourri de sucessos de Roberto Carlos em ritmo de samba.

Roberto e Erasmo assinam samba exclusivo para os Originais do Samba (Eu Queria Era Ficar Sambando, 1970), que gravaram Antonio e Mario Marcos (mais dois do iê-iê-iê), em 1969 (Com Tristeza e sem Poesia, 1969). No álbum Originais do Samba Exportação (1971), vão de Jorge Ben ( Tenha Fé Pois Amanhã Um Lindo Dia Vai Nascer), Eustáquio Sena (Mas Que Menininha, com A. Soares), e o frevo canção Oh Bela (Capiba).

HUMOR

Embora tenham gravado autores como Nelson Cavaquinho, Baden Powell, Chico Buarque, os grandes sucessos dos Originais do Samba, trabalhados pelas gravadoras, foram sambas bem humorados, Cadê Tereza? (Jorge Ben, do LP Os Originais do Samba, 1969), Do Lado Direito da Rua Direita (Chiquinho/Luiz Carlos, do LP O Samba é a Corda, e Eu Sou a Caçamba, 1972), Tragédia no Fundo Mar (do LP Pra Que Tristeza, de Zerê e Ibrahim, 1974).

Ao longo dos anos Os Originais do Samba foram perdendo e ganhando integrantes (Almir Guineto chegou a participar do grupo por pouco tempo). Na década de 80, já não fazia mais sucesso. Deixou a RCA, e passou a gravar pela Copacabana, onde estreou, sem sucesso, com A Malandragem Entrou em Greve (1987), o título do LP vem de um samba assinado pelo pernambucano Braulio de Castro, com Jorge Belizário.

Discos relançados:

Os Originais do Samba (1969), Os Originais do Samba, Vol. 2 (1970), Samba É De Lei (1970), Samba Exportação (1971), O Samba É A Corda, Os Originais A Caçamba (1972), É Preciso Cantar (1973), Pra Que Tristeza (1974), Alegria de Sambar (1975), Em Verso E Prosa(1976), Os Bons Sambistas Vão Voltar (1977), Aniversário do Tarzan (1978), Clima Total (1979), Os Originais do Samba (1981), Canta, Meu Povo, Canta(1983).

Confiram Os Originais do Samba num pot-pourri de sucessos de Roberto Carlos:


  • Digg
  • Del.icio.us
  • StumbleUpon
  • Reddit
  • RSS

0 comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...